Delegação de Lisboa

Perguntas frequentes
Perguntas Frequentes

As perguntas que se seguem estão entre aquelas que nos são mais vezes colocadas pelo público sobre a estrutura, actividades e serviços da Cruz Vermelha Portuguesa. As respostas são propositadamente curtas com ligações a informações mais completas neste site. Se não respondemos aqui à sua questão, queira enviá-la para Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

Fechar todas | Mostrar todas

A Cruz Vermelha Portuguesa é uma instituição humanitária não governamental de carácter voluntário e de interesse público, sem fins lucrativos, fundada em 11 de Fevereiro de 1865 pelo Dr. José António Marques. Para saber mais, clique aqui.

O objectivo fundamental da Cruz Vermelha Portuguesa é prestar assistência humanitária e social – em especial aos mais vulneráveis. As suas acções pretendem prevenir e reparar o sofrimento, e simultaneamente, contribuir para a defesa da vida, da saúde e da dignidade humana. Para saber mais, clique aqui.

A Cruz Vermelha Portuguesa exerce a sua actividade em todo o território nacional e fora de Portugal, no quadro de acção do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, e em qualquer local onde a sua participação seja relevante. Assenta a organização territorial em Serviços Centrais e Autónomos, Delegações Locais e extensões de Delegações Locais. Para saber mais, clique aqui.

A Cruz Vermelha Portuguesa é uma pessoa colectiva de direito privado e de utilidade pública administrativa, com plena capacidade jurídica para a prossecução dos seus fins. Desenvolve a sua actividade com autonomia face ao Estado e em obediência aos Princípios Fundamentais e recomendações do seu Movimento Internacional, estabelecidos em Conferência Internacional. Compete ao Ministro da Defesa Nacional o exercício da tutela inspectiva da Cruz Vermelha Portuguesa na administração dos seus recursos. Para saber mais, clique aqui.

O Presidente Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa é voluntário e não recebe qualquer remuneração. É o responsável máximo, cabendo-lhe assegurar o prestígio, a manutenção, a sustentabilidade, o desenvolvimento e o progresso da Instituição, a qual funciona sob a sua orientação e na sua dependência. Para saber mais, clique aqui.

A Escola de Socorrismo da Cruz Vermelha Portuguesa é pioneira na formação em Socorrismo, em Portugal. Os cursos de socorrismo são leccionados pelas Delegação Locais da Instituição. Para obter informações sobre os cursos e assuntos relacionados, clique aqui.

A Cruz Vermelha Portuguesa acolhe e encoraja o oferecimento de pessoas de boa vontade e de reconhecida idoneidade moral que desejem voluntariamente colaborar nos seus serviços, quer em tempo de paz, quer em tempo de guerra. Para tornar-se voluntário, deverá contactar a Delegação Local da Cruz Vermelha Portuguesa mais próxima da sua área de residência. Para saber mais, clique aqui.

Para obter informações sobre os cursos de enfermagem e outros cursos ligados à área de Saúde, deverá consultar os respectivos websites ou contactar directamente as escolas da Cruz Vermelha Portuguesa:

A Juventude Cruz Vermelha é um espaço de participação para crianças e jovens – dos 8 aos 35 anos – cuja acção se dirige a crianças e jovens, tendo em conta as necessidades sociais dos grupos mais vulneráveis. As candidaturas a voluntário da Juventude da Cruz Vermelha poderão ser efectuadas na Delegação Local da Cruz Vermelha Portuguesa mais próxima da área de residência ou no Gabinete de Juventude da Sede Nacional. Para saber mais, clique aqui.

A subscrição do Cartão CVP pode ser efectuada das seguintes formas:

  • Neste site, preenchendo e enviando a respectiva ficha de subscrição on line;
  • Nas Delegações Locais da Cruz Vermelha Portuguesa;
  • No Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa;
  • Nos balcões do Banco BPI.

Para saber mais, clique aqui.

O valor pago pela subscrição do Cartão de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa não é dedutível em sede de IRS.

Sim, porque a Teleassistência da Cruz Vermelha Portuguesa destina-se não só a pessoas que se encontram em situação de dependência (por idade, doença prolongada, convalescença, incapacidade ou isolamento), mas também a pessoas autónomas que desejam sentir-se mais seguras, existindo para isto um equipamento móvel com GPS. Para saber mais, clique aqui.

O valor da quota a pagar pelos membros contribuintes da Cruz Vermelha Portuguesa não deve ser inferior ao valor mínimo estabelecido pela Assembleia Geral da Instituição realizada de dois em dois anos. Actualmente o valor da quota é de 1 euro por mês. Para saber mais, clique aqui.

Para obter informação sobre a localização e contactos da Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa mais próxima da sua residência, clique aqui.

Para a realização e desenvolvimento das suas actividades, a Cruz Vermelha Portuguesa conta com diversos recursos, sendo de destacar os seguintes:

  • As quotas e subscrições dos membros.
  • As subvenções e apoios concedidos pelos órgãos da Administração Pública.
  • Os donativos, as heranças e os legados recebidos a benefício de inventário.
  • Os rendimentos e as mais-valias do património.
  • O produto das retribuições recebidas, fruto dos serviços prestados pela Instituição.
  • As importâncias provenientes de acordos de cooperação com entidades públicas ou privadas.

Porque as doações em dinheiro são a forma mais eficiente de ajudar as pessoas vítimas de desastres ou conflitos. O dinheiro permite à Cruz Vermelha dar uma resposta adequada às necessidades das pessoas afectadas – sejam, estas, de tendas de alojamento, agasalhos quentes, kits de cozinha, pessoal técnico em águas e saneamento, telecomunicações, artigos de higiene ou outras –, de forma rápida e próxima do local da emergência. Para saber mais, poderá consultar a página do Fundo de Emergência da Cruz Vermelha Portuguesa.

No que respeita ao financiamento de cada projecto, a Cruz Vermelha Portuguesa retém em média 15% do valor total dos donativos recebidos para despesas gerais de carácter administrativo.

Os donativos de artigos em espécie, como vestuário, calçado, roupa e utensílios de casa, brinquedos, livros, cadeiras de rodas, mobiliário de casa ou escritório, electrodomésticos, entre outros, são muito bem-vindos. No entanto, estes artigos deverão obedecer a um determinado padrão de qualidade, devendo estar em bom estado de conservação (novos ou pouco usados, sem estragos) e de limpeza. Caso pretenda efectuar um donativo em espécie, sugerimos o contacto prévio da Delegação Local da Cruz Vermelha Portuguesa da área de residência para saber das suas necessidades mais urgentes e aptidão para a armazenagem e distribuição dos artigos. Para saber mais, clique aqui.

De acordo com a Lei do Mecenato, a Cruz Vermelha Portuguesa está autorizada a emitir recibos de donativos. Para obter este documento, o doador deverá entregar à Instituição cópia do comprovativo do seu donativo em dinheiro ou em espécie (talão de transferência bancária ou depósito, cópia do cheque, factura/recibo ou outro) e fornecer o seu nome, número de contribuinte e morada. Para obter os justos benefícios fiscais, o doador deverá anexar o recibo de donativo à sua declaração de IRS ou IRC. Para mais esclarecimentos, contacte directamente o Departamento Financeiro da Sede Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa.

Deverá contactar a Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa mais próxima da área de residência do dependente, expondo esta necessidade. Para obter contactos, clique aqui.

A maioria das Delegações Locais da Cruz Vermelha Portuguesa efectua empréstimos de ajudas técnicas, como cadeiras de rodas, camas articuladas, andarilhos e de outros equipamentos. Para o efeito, deverá contactar a nossa Delegação mais próxima da área de residência da pessoa necessitada. Para obter contactos, clique aqui.

Não existe voluntariado internacional na Cruz Vermelha e Crescente Vermelho. Este Movimento privilegia a contratação de profissionais locais para a condução das tarefas a assegurar em cenários de catástrofe, conflitos ou outros. Assim, o empenho de expatriados só tem lugar sempre que determinadas especialidades não estejam disponíveis nos mercados de trabalho locais. Para o efeito são obrigatoriamente celebrados contratos a termo certo (6 meses, 1 ano e 2 anos) e dada formação específica. Para mais esclarecimentos sobre este assunto, contacte directamente o Departamento Internacional da Sede Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa.

Poderá ajudar a Cruz Vermelha Portuguesa de diversas formas:

Entre outras funções, cabe ao Gabinete de Pesquisa e Localização da Cruz Vermelha Portuguesa procurar e localizar as pessoas cujos familiares ignorem o seu paradeiro. Para requerer estes serviços é necessário o preenchimento de um questionário internacional. Através dos dados fornecidos, será activada a rede do Movimento Internacional da Cruz Vermelha  do Crescente Vermelho. Para saber mais, clique aqui.

Os emblemas da “cruz vermelha” e do “crescente vermelho” são muitas vezes percepcionados como tendo uma conotação religiosa, cultural, política ou étnica. Isto gerou já situações em que não é reconhecido o carácter neutral do pessoal, instalações ou viaturas que utilizam estes emblemas, e levou algumas Sociedades Nacionais a identificarem-se com outros emblemas não reconhecidos pelo Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. A solução deste problema passou por criar um emblema adicional, conhecido como o “cristal vermelho”. O Magen David Adom, em Israel, é uma das Sociedades Nacionais que utiliza o “cristal vermelho”. Para saber mais, clique aqui.

Para candidatar-se a um emprego ou estágio na Cruz Vermelha Portuguesa, deverá enviar o seu curriculum para o Serviço de Recursos Humanos da Sede Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa, explicando as suas motivações e objectivos. Caso pretenda uma colocação em alguma Delegação Local ou Serviço Autónomo da nossa Instituição, sugerimos que contacte directamente estas entidades utilizando os contactos que constam neste site.

Para obter informações relativas a partos, acordos, consultas, médicos, especialidades, cirurgias e exames no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, deverá contactar directamente esta entidade.

Neste site encontrará informação útil sobre quem é e o que faz a Cruz Vermelha Portuguesa, incluindo fotografias, vídeos, apresentações e publicações. Os pedidos de esclarecimentos adicionais e de envio de material de divulgação, como folhetos e cartazes, deverão ser efectuados para o email site@cruzvermelha.org.pt, devendo ser fornecidos a identificação do estudante, os objectivos do trabalho académico e uma morada de correio.

A mensagem que circula por e-mail aconselhando as pessoas a associarem, na lista de contactos do seu telemóvel, a designação "AA Emergência" a um familiar que deve ser contactado em caso do portador do telemóvel ter um acidente não foi emitida pela Cruz Vermelha Portuguesa, nem pelo Instituto Nacional de Emergência Médica. Segundo o INEM, "estas mensagens são recorrentes e ora sugerem o “AA Emergência”, ora referem o “SOS” ou o “ICE” (In Case of Emergency). Este Instituto acrescenta ainda que não está padronizado nenhum sistema deste género e que não existe qualquer mais-valia nesta recomendação.

Não, por regra a Cruz Vermelha Portuguesa não efectua serviços de colheita de sangue. Poderá, eventualmente, colaborar com o Instituto Português do Sangue em alguma campanha pontual, disponibilizando para isso uma tenda ou infra-estruturas próprias.